Imagens de drones em corridas de ciclismo sob regras mais rígidas pela UCI
Imagem de Lukas Bieri por Pixabay

Imagens de drones em corridas de ciclismo sob regras mais rígidas pela UCI

A partir de 2024, drones usados por organizadores devem manter distância mínima de 5 metros de ciclistas e espectadores.

Adora aquelas imagens aéreas de um ciclista como Mathieu Van der Poel atacando na floresta em uma corrida de cyclocross ou um close de Jonas Vingegaard dominando um contrarrelógio? Graças aos drones, esses ângulos únicos revelam detalhes cruciais das corridas para um público mais amplo, mas a UCI (União Ciclista Internacional) precisou endurecer as regras para garantir a segurança de todos.

Pensando na segurança de atletas, oficiais e espectadores, a UCI atualizou recentemente as regras sobre o uso de drones autorizados por organizadores em eventos. Esses veículos e aeronaves similares agora devem “manter uma distância de pelo menos cinco metros de qualquer ciclista ou espectador”.

Esta mudança na Regra 1.2.035a entra em vigor em 1º de janeiro de 2024 e se aplica a todas as disciplinas do ciclismo. Com a nova regra, a vista panorâmica do contrarrelógio de Vingegaard em O Gran Camiño, que o levou ao título geral, não será tão comum. Câmeras fixas e móveis em um drone aprovado ainda podem capturar imagens da frente de um contrarrelógio, mas a partir de uma distância maior.

A regra da UCI supervisiona o uso de drones pelos organizadores, que podem usar fotografia e/ou vídeo por várias aeronaves, “desde que obtenham autorização para operar o equipamento com segurança a partir do local previsto”. A emenda ao artigo sobre aeronaves, introduzida em janeiro de 2022, foi implementada para evitar incidentes em que um drone possa interferir no resultado de uma corrida.

Drones já são utilizados em eventos esportivos há mais de uma década, geralmente como uma alternativa mais econômica e flexível às câmeras montadas em motos, helicópteros e vários pontos fixos. Durante a pandemia de Covid-19 em 2020, drones foram usados para cobrir corridas de ciclismo sem a presença de público, como o Tour de Flandres. Mais recentemente, drones provaram ser uma boa opção para cobertura em locais remotos de corridas de gravel e ciclocross, além de Campeonatos Mundiais de várias disciplinas.

No entanto, operadores de drones, sejam comerciais ou recreativos, não têm liberdade total no espaço aéreo. Existem regras regionais que ditam o uso, como as da Agência Nacional de Aviação na Europa e da Administração Federal de Aviação nos EUA, relacionadas a peso dos dispositivos, restrições de altura, licenças de operador e diretrizes relacionadas à segurança com outras aeronaves.

Em resumo, a UCI fortaleceu as regras para o uso de drones em corridas de ciclismo, priorizando a segurança de todos os envolvidos, mas sem impedir a captura de imagens emocionantes e informativas a partir de ângulos únicos.

Fonte: Cycling News

Política de Cookies
Política de Cookies

Usamos cookies em nosso site para melhorar sua experiência. Ao clicar em "Aceitar Tudo", você concorda com o uso dos cookies. Pode ainda clicar em "Politica de Privacidade" para conhecer como tratamos esse assunto.

ACIPE

Siga-nos!

Canais de Atendimento

Horário Comercial

Seg-Sex 10:00-17:00

hs. no Rio - 🇧🇷